ULTIMAS NOTICIAS

POLICIAL

POLITICA

ULTIMAS NOTICIAS

Share Button

quarta-feira, 1 de julho de 2015

PILÕES E OUTRAS 97 CIDADES DA PARAÍBA TERÃO REVISÃO BIOMÉTRICA ATÉ 2016

Mais 98 municípios da Paraíba vão passar por revisão biométrica do eleitorado até 2016. A aprovação da Corregedoria-geral Eleitoral foi publicada na edição do Diário da Justiça Eletrônico desta quarta-feira (1º). Até 2014, 23 municípios, incluindo João Pessoa e Campina Grande, fizeram o recadastramento biométrico.
Os municípios incluídos no Projeto Biometria 2015-2016 já estavam passando por biometra ordinária, ou seja, todos os novos eleitores já estavam fazendo cadastramento biométrico. Agora, os eleitores antigos vão ter que passar pelo recadastramento. Quem não comparecer para fazer a revisão, vai ter o título de eleitor cancelado.
O presidente do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba, desembargador João Alves da Silva, informou que a meta é revisar mais 916.713 eleitores, distribuídos em 26 Zonas, cobrindo 98 municípios, envolvendo 563 pessoas e utilizando 386 kits – equipamentos imprescindíveis a realização do projeto. “A revisão do eleitorado com coleta de dados biométricos é sempre uma forma de assegurar a lisura das eleições”, comentou João Alves.
Os municípios que irão passar pelo recadastramento são: Alagoa Nova, Alcantil, Algodão de Jandaíra, Amparo, Aparecida, Araçagi, Areia de Baraúnas, Areial, Assunção, Bananeiras, Barra de Santana, Barra de São Miguel, Bayeux, Boa Ventura, Boqueirão, Borborema, Cabaceiras, Cacimba de Areia, Cacimbas, Cajazeirinhas, Camalaú, Caraúbas, Caturité, Congo, Coxixola, Cubati, Cuitegi, Curral de Cima, Curral Velho, Desterro, Diamante, Dona Inês, Esperança, Guarabira, Gurjão, Imaculada, Itaporanga, Jacaraú, Juazeirinho, Junco do Seridó, Lagoa de Dentro, Lagoa, Lastro, Livramento, Lucena, Mãe D’água, Marizópolis, Matinhas, Maturéia, Montadas, Monteiro, Nazarezinho, Olivedos, Parari, Passagem, Patos, Paulista, Pedra Branca, Pedro Régis, Pilões, Pilõezinhos, Pombal, Quixaba, Remígio, Riacho de Santo Antônio, Salgadinho, Santa Cruz, Santa Luzia, Santa Rita, Santa Teresinha, Santo André, São Bentinho, São Domingos de Pombal, São Domingos do Cariri, São Francisco, São João do Cariri, São João do Tigre, São José da Lagoa Tapada, São José de Caiana, São José de Espinharas, São José do Bonfim, São José do Sabugi, São José dos Cordeiros, São Mamede, São Sebastião de Lagoa de Roça, São Sebastião do Umbuzeiro, São Vicente do Seridó, Serra Branca, Serra Grande, Soledade, Sousa, Sumé, Taperoá, Teixeira, Tenório, Várzea, Vieirópolis e Zabelê.
Depois do recadastramento desses 98 municípios, a Paraíba vai ter apenas um terço da população de eleitores sem biometria. O objetivo do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é fazer o recadastramento em todo o território até 2018.
Manchetepb.com

GOVERNO DILMA TEM APROVAÇÃO DE 9%, APONTA PESQUISA IBOPE

A reprovação ao governo da presidente Dilma Rousseff saltou de 64% para 68% e o índice dos que a aprovam baixou a menos de 10%. De acordo com a pesquisa CNI-Ibope, divulgada nesta quarta-feira, apenas 9% consideram que ela faz um governo ótimo ou bom. Em março deste ano, quando foi feito o levantamento anterior, esse índice era de 12%. Para 21%, o governo da petista é regular.
Segundo a série histórica da avaliação, feita desde março de 1986, na gestão de José Sarney, o governo da petista só não tem desempenho pior que o próprio Sarney — em junho e julho de 1989 ele tinha aprovação de 7% da população. Dilma está no mesmo patamar em que o ex-presidente se encontrava em novembro de 1989, com os mesmos 9%. Dilma teve uma avaliação pior até mesmo que o ex-presidente Fernando Collor em seu pior momento, em agosto de 1992, às vésperas do impeachment. Na ocasião, a popularidade dele era de 12%.
A aprovação ao jeito de Dilma governar também caiu – passou de 19% para 15%. Já os que rejeitam a maneira como ela conduz a administração subiu de 78% para 83%. Apenas 2% não souberam ou não quiseram opinar.
A pesquisa demonstrou que os eleitores não confiam em Dilma. Segundo o levantamento, 78% manifestaram-se dessa maneira – em março, eram 74%. Mas 20% afirmaram que confiam nela, um recuo de quatro pontos percentuais em relação à última divulgação. A perspectiva para o restante do mandato também não é das melhores. Para 61%, os últimos três anos e meio da gestão da petista será ruim ou péssimo. Outros 23% avaliaram que será regular e 11% acreditam que vai melhorar.
O Ibope também perguntou sobre a percepção do eleitor a respeito do noticiário envolvendo o governo. Nesse quesito, caiu de 72% para 64% os que veem as notícias como desfavoráveis à gestão de Dilma e subiu de 13% para 17% aqueles que analisaram que as notícias não são nem favoráveis nem desfavoráveis. Para 8% o noticiário é positivo e 11% não souberam ou não quiseram responder.
Os assuntos mais lembrados pela população são a Operação Lava-Jato/Petrobras (20%), mudanças na aposentadoria (16%), mudanças no seguro desemprego (8%), corrupção no governo (6%), entre outros.
A pesquisa CNI-Ibope ouviu 2.002 eleitores, em 141 municípios, entre os dias 18 e 21 de junho. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.
Do O Globo

ENERGIA MAIS CARA ELEVA ÍNDICE DE INADIMPLÊNCIA NA PARAÍBA EM 23,7%

O número de consumidores que não conseguiram quitar a conta de energia elétrica na Paraíba aumentou 23,70% de janeiro a maio deste ano comparado ao mesmo período do ano passado. Isso significa um acréscimo de 64 mil usuários em débito com a distribuidora, considerando que o total de inadimplentes na Energisa PB e Energisa Borborema saiu de 270 mil nos cinco meses do ano passado para 334 mil até maio deste ano. O peso maior na conta de energia elétrica em 2015 com a tarifa extraordinária e sistema de bandeiras, aliado à crise econômica, contribuíram para este quadro.
Em julho, pelo sétimo mês consecutivo, os usuários de energia elétrica terão que enfrentar a bandeira vermelha segundo anúncio esta semana da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Isso implica em um acréscimo de R$ 5,50 para cada 100 quilowatts­hora (kWh) consumidos. Vale lembrar que em Campina Grande o impacto na conta de energia elétrica foi maior porque ocorreu o reajuste anual que chegou a 40%.
Economizar
Nas ruas de João Pessoa os usuários se queixam das despesas com este serviço no orçamento familiar. “A conta de energia elétrica aumentou muito na minha casa. Há um ano pagava R$ 70 e em maio a conta veio R$ 196. Por isso faço tudo para economizar. Ar-condicionado só ligo um período, à noite no modo econômico, não uso mais o microondas e troquei todas as lâmpadas da minha casa por outras que consomem menos”, destacou a contabilista Patrícia Nascimento.
A situação não é muito diferente na residência da dona de casa Laurinda Estévam. Segundo ela, há pelo menos três meses costumava pagar menos de R$ 50 pelo uso da energia elétrica e este mês o valor chegou a R$ 91. “Não sei mais o que fazer para reduzir. Moro apenas com o meu marido e em casa, além das lâmpadas, só tenho liquidificador, ventilador e quase não uso ferro de passar”.
A pedagoga Rosinete Magalhães foi outra consumidora que contou as estratégias adotadas para tentar reduzir a conta de luz. “A situação está um absurdo. Desliguei o chuveiro elétrico e evito todas as formas de desperdício. Por enquanto estou conseguindo pagar a conta, a gente vai cortando algumas coisas para poder vencer a crise. Já diminuí, inclusive, os passeios aos restaurantes”, confessou.
Em dinheiro é maiorA inadimplência, com relação ao volume em dinheiro, aumentou 57,49% na Energisa no mês de maio, comparado ao mesmo período do ano passado. O volume do calote na Energisa (Paraíba e Borborema) foi de R$ 64,1 milhões no mês passado e de R$ 40,7 milhões no mesmo período de 2014 segundo dados da distribuidora. O maior volume de devedores foi observado do segmento residencial.
Em maio de 2014, os usuários das residências deviam R$ 29,9 milhões e representavam 73,46% do total dos calotes da Energisa. Já em maio deste ano, a inadimplência dos usuários residenciais chegou a R$ 40,6 milhões, que significa 63,33% do total das dívidas registradas em  maio.
Para o diretor-­presidente da Energisa Paraíba e da Energisa Borborema, André Theobald, vários fatores contribuíram para a expansão da inadimplência na empresa. “Há algumas causas raízes que justificam essa situação como o desemprego, o descontrole financeiro da população e a redução da renda”, frisou. Segundo ele, a falta de acesso ao crédito também tem sua participação na lista de devedores, assim como a falta de planejamento do futuro.
“As pessoas vinham num ritmo grande de consumo de crédito a taxas baixas e começaram a gastar sem controle. Agora, o consumidor tem que mudar os hábitos e economizar energia”.
Além de orientar os clientes em débito a comparecem aos postos da Energisa para tentar parcelar suas dívidas, André Theobald destacou que vai incentivar os 87 mil usuários residenciais que têm um perfil para se tornar um consumidor de baixa renda e assim ter desconto de até 65% na conta de luz. Essas pessoas, segundo ele, não sabem que têm este direito.
Lucro da Energisa Borborema cresce 202,4%
As taxas extras implantadas este ano na conta de energia elétrica do consumidor, com o sistema de bandeira e Revisão Tarifária, aliado ao reajuste anual do serviço em Campina Grande resultou em um aumento de 202,43% no lucro líquido da Energisa Borborema no primeiro trimestre deste ano.
Segundo o diretor-­presidente da Energisa Paraíba e da Energisa Borborema, André Theobald, nos três primeiros meses do ano passado o lucro líquido foi de R$ 4,1 milhões e, no mesmo período deste ano, este valor subiu para R$ 12,4 milhões, ou seja, o triplo.
Neste volume, já estão descontadas todas as despesas da empresa como a folha de pagamento, insumos, aluguéis, e impostos municipais, estaduais e federais. Já na Energisa Paraíba houve queda de 37,46% no lucro líquido da empresa. Foram R$39,5 milhões no acumulado até março do ano passado e R$ 24,7 milhões no mesmo período deste ano.
De acordo com André Theobald, a alta na região da Borborema tem relação com o reajuste anual do consumo, ocorrido no mês de fevereiro. Vale lembrar que na Energisa Paraíba este aumento será definido apenas em agosto. Segundo André Theobald, a conta de energia elétrica é dividida em ‘Parcela A’ (que se refere à compra de energia), ‘Parcela B’ (inclui os reajustes da concessionária) e ‘Impostos’. De acordo com ele, os maiores acréscimos na conta de luz no bolso do consumidor foram provenientes da Parcela A e Impostos.
“O aumento dado pela concessionária representou cerca de R$ 1,00. Como o governo federal cortou o subsídio, quem paga a conta é consumidor”, frisou. Theobald acrescentou que esse lucro é passageiro porque o maior impacto ocorreu no mês do reajuste anual em Campina Grande, que vai se diluindo ao longo dos meses com a alta da inflação e outras despesas.
Com Jornal da Paraíba

CIDADES

ENTRETENIMENTO

PARAIBA

 
Copyright © 2014 PORTAL PILÕES NEWS
|